Posts de Camila Peres

telemarketing

17 de setembro de 2012 / blog

telemarketing

É difícil começar um post depois de tanto tempo. Mas eis que estou de volta, Fato é que venho falar de um acontecimento que despertou minha imaginação. Em uma bela tarde de sábado chuvosa, estava eu descansando na tranquilidade daquela tarde cinza quando o celular tocou. Telemarketing. Não que eu tenha algo contra o operador de telemarketing, tenho contra o serviço, as formas de abordagens. O rapaz derregado de um sotaque forte que não dava para entender muito bem falava a respeito de um novo cartão. “Obrigada, mas não tenho interesse”.  Faz parte da estratégia de venda insistir. Eu só não achei que eles insistiam tanto de forma a ter de desligar o telefone na cara do operador.

Depois, voltando da padaria fiquei pensando como era chato o fato do telemarketing não ter mais respeito ao horário de lazer e em algumas situações inusitadas onde o telemarketing poderia ser, de fato, uma ideia mais que feliz de incomodar as pessoas. Você já parou para pensar como essas ligações são chatas e sempre te atrapalham nas horas de sono, no meio de um filme, em uma janta com amigos, na fase final de um jogo, em um momento de descontração?

Não, obrigada, eu não quero cartão-não-sei-o-que-card.

 

[retirado de arquivo]

Então você quer um estagiário?

16 de julho de 2012 / blog


Posso dizer que tive muita sorte com os estágios que fiz. Todos eles, ainda que nem todos tenham sido um mar de rosas foram muito proveitosos e eu aprendi muito. Tanto na área de conhecimento como o significado da frase “trabalhar sob pressão”. Foram três estágios e me orgulho muito de cada um, feitos em áreas próximas mas que me proporcionaram tantos conhecimentos diferentes. Hoje estou formada, com dois títulos e empregada.

Então você deve se perguntar sobre o quê, exatamente é este post.

Oras pois, duas semanas atrás eu recebi uma notícia, um “post” no facebook que me deixou um tanto frustrada. Ele se repetiu e somado a conversa que tive hoje à tarde, sinto que preciso compartilhar isto aqui no DM. As empresas querem estagiários. Mas não vou cometer o erro de generalizar, afinal, existe muita gente por esse mundão consciente do valor de um profissional graduado, empenhado em ser plus.

Mas a questão é que as empresas reclamam que precisam de gente. Que está faltando profissionais para isto e aquilo, mas na hora de ir em busca de pessoal são os estagiários que eles querem. Não que eu ache isto ruim. Isso é bom, tanto para o universitário que não tem disponibilidade de tempo para trabalhar em turno integral, quanto para as empresas que, convenhamos saem lucrando, mas acho que é importante que as empresas também ofereçam vagas para formados. Em uma entrevista, certa vez, alguém me disse que a pessoa depois de formada ganha “certo valor” e que por isso, é dever da empresa “valorizar” os anos de estudo, mas aparentemente os diplomas de graduação provavelmente continuarão sendo desvalorizados.

A imagem já fala por si.

[retirado de arquivo]

Tic tac toe

31 de maio de 2012 / blog

É um tanto assustador o fato que, quando eu tenho uma agenda lotada eu consigo fazer muito mais coisas do que quando tenho tempo. Uma das coisas que eu tenho vergonhosamente deixado de lado é o hábito da leitura.
Não obstante, as prateleiras continuam sendo preenchidas por livros novos.
Logo, eu vou aproveitar a minha “nova forma de gerenciar meu tempo”, incluindo uma nova leitura. De quebra vou concluir alguns itens do projeto 101 e postar aqui.
É para constar, a foto é do dia 31 de março. O resultado das inúmeras reclamações. Finalmente sou designer! o/

I’m back!

02 de abril de 2012 / blog

E essa sou eu. Dona de uma vontade imensa de postar e de uma preguiça colossal de escrever. Criativa o suficiente para passar dias (eu disse dias? MESES) programando um novo layout, improdutiva para clicar em new post. Foram tantas ideias que vi passar pela minha mente (algumas juro, foram anotadas), tantos acontecimentos que com orgulho quero contar! O fato é que o DM estava caindo na rotina e começaram a faltar motivos para voltar. Mas no final das contas a “vontade improdutiva” de gritar algo inspira (WTF?) a abrir o browser e olhar o blog. Eu sempre tive a certeza que voltaria. Eu voltaria com o sentido original do blog. De mente perigosa, (calma!) perigosa de tantas ideias, ou pelo menos de tanta diversidade, coisas novas, “explosões de cores”.

 

O Dangerous Mind está de volta, registrado e tudo!