Balanço geral – O lado bom e o ruim de 2015

11 de dezembro de 2015 / blog

Balanço Geral de 2015

*imagem: fourteenmemories.tumblr.com

Dezembro chegou mais rápido do que nunca. E sem delongas, 2015 não foi um bom ano. Perdi uma amiga que eu tinha como uma irmã, vi minha outra amiga perder a irmã, tive que me despedir do meu amigão, Boby. Tive uma alergia do baralho. Duas vezes até descobrir que era por causa de um hidratante (sux).

Apesar de tudo, de alguns planos adiados, de saudades sem fim, o ano teve seu lado bom. Motivos para eu não querer simplesmente apagar 2015 da memória. Foi um ano de realizações, E isso me faz muito feliz. Como é bom quando a gente faz o que gosta e alcança nossos objetivos! Nosso apê, um novo emprego. Novas amizades. Metas de leituras vencidas, tempo aproveitado. Vou terminar o ano feliz com um equilíbrio que batalhei (e muito!) para alcançar durante o ano.

Em agosto eu escrevi 101 coisas para fazer em 1001 dias a partir de outubro. Me alegro em ver esta lista e constar que muitas coisas já estão riscadas.

2015 me ensinou a continuar. A aproveitar o que me faz bem e dar um chega pra lá no que me chateia.
Podia dizer que espero muitas coisas neste 2016, mas tudo se resume em uma: ser feliz.

Boas festas a todos.
Que você faça o seu 2016, inesquecível :)

Posts relacionados

Esse momento (porque a vida é feita de momentos)

07 de setembro de 2015 / blog

A vida é feita de momentos

* imagem

Já fui Cacá, Kika e detestei Mila. Era Kallyma no MIRc, no LOTRo, no blog. Já tive minha fase esquentadinha, já fui calma demais. Já fui do tipo que fica emburrada por qualquer coisa e já briguei por coisas que não se podia mudar, assim como já chorei por leites derramados e brigadeiros de aniversários comidos. Já planejei o futuro e a vida remodelou ele por inteiro. Já achei que tinha todas as respostas e, no momento seguinte, tive outro milhão de dúvidas. Já perdi noites estudando. Já virei noites jogando e algumas poucas dançando na balada com as amigas. Já cheguei na idade que sempre quis ter, conquistei algumas coisas, já me decepcionei, me arrependi e aprendi com erros cometidos…

Hoje eu sou Cami, Camila… Mila. Completei 26 anos e tenho a impressão que meu cabelo está mais loiro que o normal. Amo minha profissão e tenho certeza que cada hora de estudo daquelas madrugadas valeram apena. Corro atrás do que eu gosto. Deveria, talvez, correr um pouco mais na esteira. Me tornei realista, um pouco mais sensata e ainda estou aprendendo a manter o equilíbrio de como lido com as coisas. Ganhei novas paixões literárias, me aventurei em novas histórias e passei a gostar mais de super-heróis e filmes de ação depois que conheci meu excelentíssimo namorado, com quem há 6 meses (uai, passou rápido!) compartilho momentos no nosso apê/rtamento/. :D

Posts relacionados

Conheça Gerald de Rívia,

25 de junho de 2015 / Geek

Gerald, Triss e Yennefer

Desde criança sempre fui fascinada por histórias que envolviam bruxos e magia especialmente quando em um universo medieval. Aventuras em livros, filmes e games não faltam. Foi em 2012 que vi um jogo em promoção na Steam com essas características. The Witcher 2 – Assassins of Kings ganhou minha atenção. Muito decepcionada, só consegui jogar o game praticamente um ano depois, já que seus requisitos eram muito altos para o pc que eu tinha na época, mas quando pude joga-lo pela primeira vez, valeu cada minuto de espera. Tão logo terminei de jogar e já esperava pelo novo The Witcher 3, lançado em 19 de maio deste ano.

O game é inspirado nos livros de Andrzej Sapkowski, que conta a história de um bruxo Gerald de Rívia, narrada por seu amigo poeta Jaskier. História interessante, que desde o início já tem uma narrativa cheia de ação. Gerald viaja entre as cidades do Vale do Pontar em busca de trabalho – matar monstros – e por estes caminhos ele encontra personagens importantes como Jaskier, seu companheiro de aventuras, Yennefer, sua grande paixão, Ciri, a criança prometida e uma série de personagens com culturas e raças diferentes, tudo isso misturado com traços de mitologia e questões de morais e princípios.

Atualmente há quatro livros traduzidos, de oito ou nove (conforme a editora). Abaixo, a introdução do game, the witcher 1, mesma introdução do livro. Enjoy! :D

2015, capítulo novo.

03 de abril de 2015 / blog

Arrumar a casa (o blog) não é uma tarefa fácil. Quando a gente tem uma história, um archive cheiro de memórias é muito fácil de expressar uma opinião, publicar mais um post. A gente se sente em casa. Contar as coisas sem meu histórico, sem as companhias de sempre é mais difícil.
Dediquei estes últimos dias para o DM, na tentativa de deixar este lugar que um dia foi tão meu, um pouco mais agradável de escrever. Layout simples, não menos confortável daqueles tantos que um dia eu fiz.
2015 está sendo um ano de mudanças. Mudanças que exigem esforço, dedicação e desapego.
E nada melhor que estar de volta a velha casa para preencher este histórico quase vazio.

Posts relacionados